segunda-feira, 24 de maio de 2010

O vencedor


Pai. O texto fala dele. Sua trajetória é marcada principalmente por sua melhor qualidade, a hombridade. De infância humilde, apaixonado pelo Botafogo, o menino franzino que vendia “sonhos” na porta do cinema e engraxava sapatos vislumbrava dias melhores. Fez do seu desejo, seu legado. O encontro com a “baixinha” era a força motriz que faltava. Construiu nosso patrimônio com sua ajuda e por ser tão perfeccionista e persistente em suas ações. Perfeição para alcançar o seu lugar ao sol.
Personalidade forte, passos fortes, olhos fortes... Forte na doença dela. Uma muralha. Não fraquejou. Mas, já era hora de chorar e chorou feito pequeno na partida. Amputaram o seu amor e ele não mais voltaria. E a saudade? Essa doía palpitada.
Na doença da filha, já sabia a lição...
Desde sempre foi intenso, com a casa, com os valores, com as filhas. Em contrapartida em muitas situações o vejo frágil. Falo de uma fragilidade que transborda junto ao choro. Acho bonito de se ver, porque entendo como desculpas. Vejo-me parecida...
Meu pai. Meu espelho! Me emociono!As lágrimas também são de desculpas. Principalmente por não entender. Acho que é vitorioso exatamente por se mostrar tão capaz de superar com dignidade tudo aquilo que lhe é dado como provação. Fica também o exemplo e a eterna gratidão.
Profetizo sua velhice e sei que dela participaremos ativamente. A música cantada por Elis Regina com tanto fervor reverbera o meu pensar. “... nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam não, você diz que depois deles, não apareceu mais ninguém...” E jamais aparecerá.
video

7 comentários:

  1. Já li este texto duas vezes, e não consigo me conter, chorei!!! Mesmo já sabendo o que estava escrito, ler é reviver. Não tenho nada a falar a respeito do papai, tudo já foi dito, de maneira verdadeira e sincera. É muito bom tê-lo na nossa presença, apesar de tudo. Família é isso, a gente briga, se desentende e as vezes até fala umas besteiras, mas o que seria de nós sem ela? o que seria de nós sem os nossos pais? - o bem mais precioso que temos. Sempre dei muito valor e sempre demonstrei muito amor e assim meu coração segue saudoso, mas tranquilo, disse e digo sempre que posso e lembro que AMO, AMO MUITO PAI, MÃE E IRMÃ.

    ResponderExcluir
  2. Eu também fiquei emocionada. A história dos meus pais é um pouco parecida e, graças a Deus, depois das brigas da adolescência a gente percebe o quanto nossos pais são nossos verdadeiros mestres. E podem ter certeza que depois que tudo passar, a família de vocês nunca mais vai ser a mesma... vai ser muito mais unida e forte!
    Fiquem com Deus.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. QUE LINDO! DEU-ME UMA SAUDADE DE PAI, DE COLO DE PAI, DE DIZER AO SEU PAI PARA TER FÉ EM DEUS, POIS TUDO ISSO VAI PASSAR! TIVE CÂNCER DE MAMA EM 2002, INVASIVO, E HOJE ESTOU CURADA! FÊ, TENHA FÉ E SIGA O TRATAMENTO A RISCA OK! SE O BICHO PEGAR PEÇA COLO, CARINHO, USE E ABUSE QUE FAMÍLIA É TUDO DE BOM, PAI E MÃE ENTÃO NEM SE FALA!FIQUE COM DEUS. ABÇ. MARINA DA SILVA

    ResponderExcluir
  4. Olá Fernanda,
    Como li só o post recente não percebi que vc falava de sua irmã Camila.Então...é bom d+ ter irmãs e misturar e amalgamar nossa vida à delas. Sou sortuda, tenho 5 irmãs e adoro todas! Que legal o seu blog, que sentimentos lindos vc transmite nos seus posts.
    E também é uma boa idéia que você Camila, deveria imitar. Escrever limpa a alma, ajuda a gente a metabolizar este perrengue com o câncer, põe o medo pra fora da gente. Se não quiser publicar, escreva num diário, daqueles com chave(he, he, he), escreva e rasgue ou queime! Escrever é uma ótima terapia e foi o conselho que recebi do meu mastologista no auge de crises de pânico e depressão profunda.Camila, aguente firme que tudo vai passar! Demora um pouco, mas passa e não esqueça: é o caminho da cura! Deus lhe abençõe, a vc e a sua família. bjus. Marina.

    ResponderExcluir
  5. Fico muito feliz ao ler esse texto, Fê. Um texto tão genuíno, puro! Pai...mãe..ouro de mina!Vejo meu pai tb nesse texto seu...são tantas coincidências...as paixões...a paixão! Amor incondicional...desses que nada e nem ninguém consiguirá destruir!

    Beijos,
    Beta.

    ResponderExcluir
  6. Fernanda só pra variar você arrasou no post, amo ler o que escreves.Bem mas hoje resolvi escrever pois senti saudade de uma pessoa que eu só conheço virtualmente, a Camila, só quero que saibam que oro pela família de vocês e gostaria de saber notícias dela.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Pais ...temos que valoriza-los quando ainda temos...as vezes não os compreendemos, mas uma coisa aprendi, eles tem sempre razão...Muito emocionante seu texto, parabéns Fê!
    bjks Josi

    ResponderExcluir